10 de dezembro de 2010

Brasil- Governo alerta para novo vírus transmitido pelo mosquito da dengue

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (8) o início da vigilância e do controle no Brasil da febre de chikungunya. A doença é causada por vírus, que assim como a dengue, é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Segundo o governo, nos meses de agosto, outubro e setembro, os primeiros três casos da doença foram registrados no Brasil. Dois em São Paulo e um no Rio de Janeiro, todos em pacientes que foram infectados em países da Ásia (Índia e Indonésia).

O coordenador do Programa de Nacional de Controle da Dengue do Ministério da Saúde, Giovanini Coelho, afirmou que não há circulação do vírus nas Américas. A circulação é verificada apenas em países da África e do sudeste asiático. Originária da África, a doença só é transmitida pelo mosquito e registra baixos índices de letalidade (menos de 1%).

“Não há necessidade de alarme, nem preocupações. Tivemos três casos importados, os pacientes tiveram boa evolução e as medidas de prevenção e controle foram aplicadas de maneira oportuna. Dizer que o risco é zero é uma irresponsabilidade. Posso garantir que esses casos foram diagnosticados precocemente e imediatamente as medidas de vigilância foram adotadas”, afirmou o coordenador do Ministério da Saúde.



De acordo com o governo, após identificados os casos no Brasil, foram tomadas medidas de prevenção e combate ao mosquito da dengue. Segundo o coordenador do Ministério da Saúde, a vigilância foi intensificada e estão sendo fornecidas informações às sociedades médicas e à rede pública de saúde. Essas ações de combate utilizam a estrutura de controle da dengue que já existe no país.

“O nosso elo vulnerável é o mosquito Aedes aegypti que é comum para as duas doenças. Mas estamos falando de casos importados e de uma situação que ainda não tem transmissão da doença no país e esperamos que não tenha”, afirmou Coelho.

Diagnóstico – O coordenador do Ministério da Saúde afirmou que o diagnóstico da doença é feito de forma quase “artesanal”, porque não há kits comerciais e o vírus não circula no país. Segundo Coelho, o governo brasileiro aguarda o envio de amostras do vírus pela Organização Panamericana de Saúde, no entanto, a entrada do material no país depende de uma série de medidas de segurança, processo que pode levar até 3 meses.

“Esse vírus vai para um laboratório de segurança e, a partir daí, vamos produzir os antígenos e treinar todos os laboratórios estaduais públicos para que eles tenham capacidade de fazer o diagnóstico”, disse.
A chikungunya é caracterizada, principalmente, pelas dores nas articulações, que podem chegar a um grau crônico, em que esse sintoma permanece por mais de 6 meses. Em uma das línguas oficiais da Tanzânia, o nome da doença quer dizer “aqueles que se dobram”.

Foram registrados surtos da doença, em 2004, no sudeste asiático e, em 2006, na Índia, onde foram infectadas 1,3 milhão de pessoas, sem nenhuma morte registrada. O vírus que causa a chikungunya tem período de incubação de 3 a 7 dias.

Cinco dias após o início dos sintomas não há mais possibilidade de transmissão da doença para o mosquito. O tratamento é similar ao da dengue, com o uso de paracetamol, antiinflamatórios e até corticoides. O Ministério da Saúde aconselha a quem for viajar para África e sudeste da Ásia adotar medidas de prevenção, como uso de repelentes e mosquiteiros. (Fonte: Débora Santos/ G1)


LEIA MAIS:

Nova ameaça na picada do mosquito da dengue - Veja O Globo

Brasil registra três casos de febre de chikungunya - Veja Tribuna do Norte

Postar um comentário
Copyright © 2010 Revista Virtual All rights reserved.
Wp Theme by RaphaelAlves. Blogger Template by Ph