4 de março de 2010

Descoberta do mais antigo antepassado dos dinossauros pode mudar a linha de evolução dos répteis

Paleontólogos anunciam hoje a descoberta de uma espécie com fisionomia e características de dinossauro, que viveu na mesma época dos dinossauros, mas... não é dinossauro. O Asilisaurus kongwe, como foi batizado, é um silessauro - parente próximo dos dinos, da mesma forma como o ser humano tem antepassados em comum com o chimpanzé. O Asilisaurus, no entanto, chegou aqui dez milhões de anos antes dos familiares famosos.

Segundo os pesquisadores da Universidade do Texas, que assinaram um artigo sobre a nova espécie na revista "Nature", os silessauros estão na Terra há mais de 240 milhões de anos. Este, portanto, seria o prazo máximo para que a espécie tivesse se diferenciado dos dinossauros. Conclusão: os dinos teriam mais do que os 230 milhões de anos que lhe atribuíam.

Fósseis de ossos de pelo menos 14 indivíduos foram recuperados em um sítio arqueológico no sul da Tanzânia. A descoberta tornou possível a reconstrução de quase um esqueleto inteiro, à exceção de alguns trechos do crânio e da pata. O Asilisaurus tinha de 0,5 a 1 metro de altura e de 1 a 3 metros de comprimento. Pesava entre 10 e 30 quilos, andava sobre quatro patas e provavelmente comia plantas ou uma combinação de vegetais e carne.

A espécie de silessauro responderia por uma das três ocasiões em que os dinossauros e seus parentes próximos, animais carnívoros, evoluíram para seres que também ingeriam plantas. A velocidade dessas mudanças surpreendeu os pesquisadores - todos os casos ocorreram em menos de 10 milhões de anos, o que, para padrões geológicos, é um período relativamente curto.

Evolução para hábitos herbívoros foi vantajosa
O Asilisaurus contava com dentes triangulares e um maxilar com um bico como ponta, o que sugere que sua dieta era semelhante a de animais onívoros ou herbívoros. Esses mesmos traços também se manifestaram em duas linhagens de dinossauros. Em ambas - assim como nos silessauros -, os recursos anatômicos evoluíram em animais originalmente carnívoros.

Embora seja difícil provar, é provável que essa mudança tenha se convertido em uma vantagem evolucionária. Um ecossistema pode receber muito mais herbívoros do que carnívoros. Portanto, a capacidade comer plantas pode ter se configurado na possibilidade de viver em mais habitats, o que aumenta as chances de sobrevivência da espécie.

Além do Asilisaurus, o sítio arqueológico da Tanzânia também guardava vestígios de uma espécie de crocodilo primitivo. A presença desses animais na mesma região sugere que sua diversificação foi mais rápida e mais cedo do que se pensava.

Para o coordenador do estudo, Sterling Nesbitt, a descoberta joga os holofotes sobre um grupo de animais que, embora tenha dominado o ecossistema terrestre durante a Era Mesozoica (de 250 a 65 milhões de anos atrás), permanecem parcialmente desconhecidos.

- Todos amam dinossauros, mas temos agora a prova de que esse era apenas um dos diversos grupos de animais que passaram por aqui no Triássico, dividindo espaço com silessauros, pterossauros e muitos parentes dos crocodilos - observou Nesbitt. - Nossa pesquisa mostra que há grupos inteiros de seres lá fora que nós sequer conhecemos, embora tenham sido muito abundantes.

Este foi o nono silessauro encontrado por paleontólogos. Os parentes dos dinossauros foram descobertos em 2003.
Postar um comentário
Copyright © 2010 Revista Virtual All rights reserved.
Wp Theme by RaphaelAlves. Blogger Template by Ph